Arquivo da categoria ‘Ativismo no mundo

Código Florestal que derruba proteções ambientais será votado segunda-feira, 21/08

A polêmica proposta de reforma do Código Florestal brasileiro, condenada por todos os movimentos socioambientais, teve a votação adiada para o dia 21, próxima segunda.

A proposta é considerada uma derrubada de muitas das proteções ambientais que hoje são garantidas pela legislação brasileira.

Entre muitos pontos de mudança legal, a reforma dá mais autonomia aos estados para legislar em matéria ambiental e favorece a consolidação de áreas para a agricultura.

Boatos de que a bancada ruralista estaria barganhando com o governo a aprovação do projeto do pré-sal em troca da aprovação completa do novo código vem pondo em alerta movimentos e organizações.

Levando-se em consideração a maioria da bancada ruralista e os acertos governamentais, é considerado como certo que o código do desmatamento virará lei.

viaCombate ao Racismo Ambiental » Código Florestal que derruba proteções ambientais será votado 2ª, 21.

Anúncios

Indigenous people lead march against plant of Belo Monte

Event brought together Indians of the Xingu basin, riverine and
family farmers: the threat from power plant

On this day August 12, closes in Altamira, PA, Free Land encampment Regional event that brought together 400 indigenous riparian family farmers, affected by dams and students to discuss hydroelectric Belo Monte and other infrastructure projects, structure in the Amazon.

In the Indian delegation, in addition to ethnic Juruna, Xipaya, Arara, Kuruaia Xicrin and the region of Altamira, participate Event delegations Guajajara, Hawk, Krikati, Awa Guajá, Kayapo, Tembe, Aikeora, Suruí, Xavante, Karintiana, Puruborá, Kassupá, Assurini, Wajãpi, Karaja,
Apurinã, Makuxi, Tupiniquim, Javaé, Kaingang, Xucuru, Mundukuru from Para, Mato Grosso, Rondônia, Roraima, Tocantins, Acre, Maranhão, Tocantins, Bahia and Parana.

Resistance leader against the dams on the Xingu river there more than 20 years, Chief Raoni was one of the Kayapo main leaders to call on the unification of all ethnicities in the Amazon against hydroelectric Belo
Monte.

Share

Povos indígenas lideram marcha contra Belo Monte | Índios Online

Evento reuniu indígenas da Bacia do Xingu, ribeirinhos e agricultores: os ameaçados pela usina

Neste dia 12 de agosto, encerra-se em Altamira, PA, o acampamento Terra Livre Regional, evento que reuniu 400 indígenas, ribeirinhos, agricultores familiares, atingidos por barragens e estudantes para debater a hidrelétrica de Belo Monte e demais projetos de infra-estrutura na Amazônia.

Na delegação indígena, além das etnias Juruna, Xipaya, Arara, Kuruaia e Xicrin da região de Altamira, participam do evento delegações Guajajara, Gavião, Krikati, Awa Guajá, Kayapó, Tembé, Aikeora, Suruí, Xavante, Karintiana, Puruborá, Kassupá, Assurini, Wajapi, Karajá, Apurinã, Makuxi, Tupiniquim, Javaé, Kaingang, Xucuru, Mundukuru e do Pará, Mato Grosso, Rondônia, Roraima, Tocantins, Acre, Maranhão, Tocantins, Bahia e Paraná.

Líder da resistência contra as barragens no rio Xingu há mais de 20 anos, o cacique Raoni Kayapó foi uma das principais lideranças a conclamar a unificação de todas as etnias da Amazônia contra a hidrelétrica de Belo Monte.

viaAcampamento contra Belo Monte termina com marcha em Altamira, PA | Índios Online.

Share

Começou hoje o Fórum Social das Américas

Assunção, Paraguay
Milhares de pessoas de vários países da América Latina, centenas de organizações e movimentos sociais estão reunidos no Paraguai, para mais uma edição do Fórum Social das Américas. A capital do país, Assunção, será palco deste importante momento de consolidação das novas forças sociais latino-americanas que lutam e trabalham todos os dias por uma outra América possível. O evento acontecerá entre os dias 11 e 15 de agosto.

O processo histórico aberto com a criação dos Fóruns Sociais Mundiais, há dez anos, se desdobrou em vários fóruns sociais nacionais de diversos países e fóruns de regiões que englobam vários países continentais. Agora é a época da multidão de perguntas que estão pelo ar, e da certeza de que uma nova construção social planetária é necessária e urgente.

Copenhague e Cochabamba se referem, respectivamente, à última conferência da ONU sobre mudanças climáticas, feita em dezembro na Dinamarca, e a uma cúpula alternativa convocada pelo governo boliviano que tratou das mudanças climáticas na cidade de Cochabamba. Enquanto na cidade européia predominaram as visões de mercado, na cidade boliviana a urgência é pelo salvamento das condições climáticas que permitem a manutenção da vida sobre a Terra.


Share

Global Voices in English » USA: Interview with Mary Joyce, Editor of Digital Activism Decoded

Global Voices in English » USA: Interview with Mary Joyce, Editor of Digital Activism Decoded.

Share/Bookmark

Publicado 31 de julho de 2010 por Mídia Digital em Ativismo no mundo, Entrevista